Sábado, 31 de Janeiro de 2009

A Satisfied Mind

Written by J. H. "Red" Hayes & Jack Rhodes

How many times have you heard someone say,
"If I had his money, I could do things my way."
But little they know that it's so hard to find
One rich man in Ten with a satisfied mind.

Once I was winning in fortune and fame;
Everything that I dreamed of to get a start in lifes game.
But suddenly it happened, I lost every dime,
But I'm richer by far with a satisfied mind.

Money can't buy back your youth when you're old
Or a friend when you're lonesome or a love that's grown cold;
The wealthiest person is a pauper at times
Compared to the man with a satisfied mind.

When life is over, my time has run out,
My friends and my loved ones I'll leave, there's no doubt. 
But one thing for certain, when it comes my time, 
I'll leave this old world with a satisfied mind.

 

 By Bob Dylan (audio below)

PALAVRAS:
BY WORDLESS às 10:18
| PALAVRAS TUAS?
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

...

 

Dizem que as imagens valem mil palavras.

Há muitas coisas que valem mais do que as palavras.

Um olhar, um sorriso, um gesto.

 

Mas há palavras que deixamos por dizer que aumentam o seu valor enquanto estão presas.

Como se estivessem à espera da altura certa para sair. Desculpa e amo-te são talvez os melhores exemplo. É preciso estar atento para saber. Se as soltarmos cedo demais são leves, corremos o risco de serem ocas. Se esperamos demasiado, talvez  possam estar atrasadas. Desfasadas do que sentimos.

 

Pessoalmente, acho que as palavras que nos pesam no peito nunca são ditas tarde demais. Não devemos temê-las, assim como não devemos esperar que nos sejam retribuídas. Há casos em que as palavras não saem pela boca das pessoas, mas podemos ouvi-las se ouvirmos o nosso próprio coração.

 

PALAVRAS: ,
BY WORDLESS às 02:34
| PALAVRAS TUAS?
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

:)

PALAVRAS:
BY WORDLESS às 02:28
| PALAVRAS TUAS?
Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

Dance me to the end of love



Dance me to your beauty with a burning violin
Dance me through the panic 'til I'm gathered safely in
Lift me like an olive branch and be my homeward dove
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

Oh let me see your beauty when the witnesses are gone
Let me feel you moving like they do in Babylon
Show me slowly what I only know the limits of
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

Dance me to the wedding now, dance me on and on
Dance me very tenderly and dance me very long
We're both of us beneath our love, we're both of us above
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

Dance me to the children who are asking to be born
Dance me through the curtains that our kisses have outworn
Raise a tent of shelter now, though every thread is torn
Dance me to the end of love

Dance me to your beauty with a burning violin
Dance me through the panic till I'm gathered safely in
Touch me with your naked hand or touch me with your glove
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

LEONARD COHEN

(thank you for reminding me... 
and for making me put on my dancing shoes!)
BY WORDLESS às 02:38
| PALAVRAS TUAS?
Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Blowin´in the wind

 

Do you trust  me? Have a little faith...

 

confiança
 

do Lat.  confidentia

s. f.,
segurança e bom conceito que se faz de alguém; convicção do próprio valor; firmeza de ânimo; crédito; intimidade, familiaridade;

pop.,
atrevimento; audácia; insolência.


 


 

do Lat.  fide, confiança


s. f.,
crença religiosa; crença, convicção em alguém ou alguma coisa; convicção; firmeza na execução de um compromisso; crédito; confiança; intenção; virtude teologal.

 

FONTE: www.priberam.pt

 

Ou seja... não são assim tão diferentes... Eu confio em mim, porque estou convicta do meu próprio valor.

Mas no que diz respeito aos outros, é mais fácil ter fé do que confiar? Não sei...

Gosto de confiar na bondade alheia, tenho fé que a humanidade seja, no geral, bondosa. Confio na boa vontade de quem quer mudar para melhor, tenho fé que cumpra os objectivos a que se propõe. Confio nos meus amigos, tenho fé que também confiem em mim.

Quando votamos num político à espera de mudança, é a fé que nos move. Quando contamos um segredo para aliviar um fardo, só o fazemos a alguém em quem confiamos.

Sou uma mulher de fé (por todos os motivos e mais alguns que não exponho...). Mas também quero ser de confiança. Percebo a diferença...

 

As palavras não são a resposta. As respostas às perguntas mais difíceis estão sempre nos actos...

PALAVRAS:
BY WORDLESS às 02:12
| PALAVRAS TUAS?
Sábado, 24 de Janeiro de 2009

Se tu me esqueces

 

SI TÚ ME OLVIDAS

  

Quiero que sepas una cosa.

Tú sabes cómo es esto:
si miro
la luna de cristal, la rama roja
del lento otoño en mi ventana,
si toco
junto al fuego
la impalpable ceniza
o el arrugado cuerpo de la leña,
todo me lleva a ti,
como si todo lo que existe,
aromas, luz, metales,
fueran pequeños barcos que navegan
hacia las islas tuyas que me aguardan.

Ahora bien,
si poco a poco dejas de quererme
dejaré de quererte poco a poco.

Si de pronto
me olvidas
no me busques,
que ya te habré olvidado.

Si consideras largo y loco
el viento de banderas
que pasa por mi vida
y te decides
a dejarme a la orilla
del corazón en que tengo raíces,
piensa
que en ese día,
a esa hora
levantaré los brazos
y saldrán mis raíces
a buscar otra tierra.

Pero
si cada día,
cada hora
sientes que a mí estás destinada
con dulzura implacable.
Si cada día sube
una flor a tus labios a buscarme,
ay amor mío, ay mía,
en mí todo ese fuego se repite,
en mí nada se apaga ni se olvida,
mi amor se nutre de tu amor, amada,
y mientras vivas estará en tus brazos
sin salir de los míos.

 

PABLO NERUDA

música: que
BY WORDLESS às 16:19
| PALAVRAS TUAS?
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

Não posso adiar

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio
não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

não posso adiar o coração

 

Poema de António Ramos Rosa, musicado pelo projecto Linha da Frente

 

 

(também a propósito da partida do João Aguardela...  - aos 39 é sempre muito cedo - ...

vale a pena visitar A Naifa)

 

 

 

nota: eu sei, o vídeo é de gosto gráfico muito duvidoso, mas foi o único que encontrei!

BY WORDLESS às 14:55
| PALAVRAS TUAS?
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Once in a while

some words come and get you.

 

      Regret                                                      Surprise

                   

                    Passion

 

                                            Commitment

                                                                            Illusion

                 

      Guilt        

                                       Responsibility

                    Duty

 

                  Family

                                                                              Hope

    

 Forgiveness

 

 

 

some of them you want as far as possible and some you want to become you.

 

But words, i remember saying it once, are like stones. You keep them or can throw them. Build a castle or turn them into insignificant sand.

 

At the end of some days, words are all you have. And at the end of some days they are meaningless.

PALAVRAS:
BY WORDLESS às 13:49
| PALAVRAS TUAS? | ver comentários (3)
Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009

Vieste

Não te busquei, não te pedi: vieste.
E desde que eu nasci houve mil coisas
que a meus olhos se deram com igual
simplicidade: o Sol, a manhã de hoje,
essa flor que é tão gracil que a não quero
o milagres das fontes pelo Estio...
Vieste (O Sol veio também, a flor,
a manhã de hoje, as águas...). Alegria,
mas calada alegria, mas serena,
entendimento puro, natural
encontro, natural como a chegada
do Sol, da flor, das àguas, da manhã,
de ti, que não buscara nem pedira.
E o Amor? E o Amor? E o Amor?
- Vieste

Sebastião da Gama

PALAVRAS: ,
BY WORDLESS às 12:17
| PALAVRAS TUAS?

pesquisar

 

Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

AINDA NAS MÃOS

Serenity now

~life´s miracles~

ACABOU

(not) Good Enough

Blue Moon

A hora marcada

Duocromático

A propósito da crise

Sister says

Às vezes...

GUARDADAS NA GAVETA

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

PALAVRAS

da música

da saudade

de agradecimento

de coragem

de esperança

de força

de frustração

de paixão

de saudade

do amor

dos poetas

que faço minhas

sem sentido

simples

soltas

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds